Leonardo da Vinci

 

 

“Pensar é buscar. Voar é intuir. Encontrar é ver.”

Autor desconhecido.

Um dos maiores gênios da humanidade, que se criou com os plenos poderes de sua mente, antes de qualquer tecnologia existente, sendo que ele mesmo trouxe grande parte do argumento tecnológico do presente.

O que mais me admira no seu gênio é o seu ecletismo, a sua capacidade ímpar de estudar todas as coisas ao mesmo tempo, com o mesmo grau de interesse, e o seu olhar profundo e intuitivo tanto sobre as coisas da ciência como as coisas da arte, sobre religião e filosofia.

Leonardo da Vinci, com toda certeza, encontrou o centro do Ser em sua inteligência equilibrada, e por isso, se colocou na objetiva visão que alcançou o conhecimento amplo.

Ele é o retrato da nossa própria evolução como humanos, aquela que nos nivelará algum dia ao nível das inteligências extraterrestres.

(Não é a toa que crops circles já foram endereçados tanto a ele como a Einstein, homenagens dos seus admiradores fora deste planeta).

Há, no entanto, um dado preocupante para mim, quando penso em comparar Leonardo da Vinci com a espécie humana, na forma de uma amostra especial.

É que ele já revelava o padrão de homem evoluído há 500 anos atrás.

Ou seja, se ele foi um padrão evolucionário destes que aparece de tempos em tempos na Terra, bem, me parece que a humanidade não absorveu então o modelo Davinciano, e continuou sua marcha decadente, fazendo de Da Vinci quase uma lenda, para os que virão mais a frente, um homem que dificilmente se acreditará tenha existido nalgum tempo, da mesma forma como acontece com Jesus Cristo, já que muitos o tomam como lenda atualmente.

Então, esses homens e mulheres raros que, de tempos em tempos, aparecem no nosso meio e poderiam representar uma chance de evolução a ser contabilizada por toda a raça, se perdem na História, porque o que costuma prevalecer são os maus exemplos, a contagiarem os homens numa espécie de corrente de influência negativa.

Talvez a inteligência de um Leonardo tenha muito a ensinar até aqueles Mestres das Estrelas.

Porque uma coisa é certa: ser gênio nesse mundo louco é muito mais difícil e raro do que ser gênio nas estrelas. Aqui, o desafio é maior, e sendo maior, exige maior talento.

Embora eu não acredite que ele tenha sido um ET, como muitos argumentam, e Jesus Cristo também, como se o nosso planeta não pudesse produzir raras almas.

Mas lendo as biografias sobre Leonardo, ele realmente tinha um processo criativo totalmente intuitivo, algo bem típico dos gênios. Dizem os seus biógrafos (e Vasari foi o mais importante) que ele costumava entrar numa sala completamente escura e ali ficar, meditando por vários minutos, às vezes, por horas, a espera de luzes de inspiração brotando em sua mente. Geralmente se dava a essa técnica antes de iniciar uma tela.

E as luzes apareciam na sua mente,com detalhes, e vinha até a forma do quadro, as cores, as perspectivas e até os rostos a serem usados. Sensacional! Aquele olhar interno, aquela abertura de olhos da alma, que a gente sempre tem evocado aqui, como fonte da inteligência real. bem, nele era algo comum.

A missão exige um despertar pleno, por isso esses períodos de afastamento e preparo são severos. Porque, para esses mestres com missões especiais, não basta saber bem o que vai ensinar ao mundo. Tem que saber também como ensinar ao mundo. Ou seja, tem que saber bem duas coisas: o que vai ensinar ao mundo e como vai ensinar ao mundo.

Acho que a segunda parte é sempre a mais complicada e exige maior treinamento.

Em parte, era um jogo telepático, mas na sua grande parte, esses gênios conseguiam fazer o canal passivo na mente, ou seja, o dificílimo estado de NÃO PENSAR, e quando o alcançavam, é que o mestre dos sentidos, a Intuição, capturava a luz das inspirações alhures.

Eles esvaziavam seus baldes mentais e, nesse estado de vazio, conseguiam enchê-lo com as águas do misterioso reservatório que alimentou, sem exceção, todos os cérebros geniais deste mundo, esse Mar que a gente costuma chamar de Deus, e que os Gnósticos chamavam de Inteligência Universal ou Pleroma.

 

Veja também:

O verdadeiro Código da Vinci muito além de Maria Madalena – parte 2 – o mapa astral de Leonardo da Vinci

Crops Circles “Leonardo da Vinci”

 

JP em 03.10.2019

Comentários
Compartilhar