Templates by BIGtheme NET

Jerry Lewis interpretando Valiant Thor no cinema?

 

 

 

 

Primeiro, vamos por partes.
Os fatos.

Exite um filme de Jerry Lewis, bastante antigo, quando o comediante estava no início da carreira, ano 1960, chamado “Visit to a Small Planet”, que, no Brasil, foi nomeado de “Rabo de Foguete”.

A personagem central, interpretada pelo impagável Jerry Lewis, se chama KRETON, um extraterrestre trapalhão que, escapando da vigilância dos seus superiores, vêm a Terra para estudá-la. Numa cena do filme, ele disse ter vindo de Vênus, nos termos: “Ah, em Vênus, é assim que fazemos …”

 

 

Essa personagem tinha sido criada antes desse filme por Gore Vidal, em 1955, para um programa de TV que satirizava a guerra fria, de modo que este filme com Jerry Lewis e dirigido por Norman Taurog, é uma refilmagem e adaptação, 5 anos depois.

Um alienígena fascinado pelos humanos, e que tinha incríveis poderes, desejando ajudá-los.

Até o estilo de sua roupa espacial, prateada-metálica, era o mesmo estilo da roupa dos venusianos da comitiva de Valiant Thor, tecidos metálicos indestrutíveis, de constituição desconhecida e sem cortes e costuras ou emendas!

No filme de Jerry Lewis, a sua chegada acontece na cidade de Manassas, norte da Virgínia, estado dos USA.
A cidade de Manassas fica a oeste e não distante de Alexandria, onde, em 1960, mesmo ano de realização do filme, o ilustre visitante de Vênus, Valiant Thor, no dia 16 de março, deixou o Pentágono, onde ficou hospedado por três anos, entre 16 de março de 1957 e 16 de março de 1960, como um hóspede secreto dos militares norte-americanos.

 

 

Manassas faz parte da área metropolitana de Washington-Arligton-Alexandria, ao norte do importante estado da Virginia.

Curiosamente, Jerry Lewis nasceu no mesmo dia escolhido premeditadamente por Valiant Thor para chegada e partida dos USA, ou seja, 16 de março. Jerry Lewis nasceu em 16 de março de 1926, 34 anos antes da partida de Valiant Thor, e faleceu recentemente, em 2017, aos 91 anos.

Valiant Thor, em 16 de março de 1957, desceu com sua nave na cidade de Alexandria, que fica numa área metropolitana que incorpora a cidade de Manassas, no filme de Jerry Lewis, nascido no mesmo dia 16 de março, e que, como Kreton, era muito identificado com seres humanos, e veio para tentar ajudar a humanidade.

 

 

Mesmo a produção original da TV americana tendo sido realizada em 1955, 2 anos antes da chegada oficial de Valiant Thor ao Pentágono norte-americano, o filme estrelado por Jerry Lewis foi realizado em 1960, 3 anos depois da sua chegada, e no mesmo ano da sua partida, e ambientado numa região próxima do Pentágono, ao norte do estado da Virginia, e com uma temática que lembra muito o ocorrido em torno do nome de Valiant Thor, que veio de Vênus e tinha predileção pela raça humana, tentando ajudá-la de várias formas, e era dotado de poderes, como a personagem de Jerry Lewis.

Coincidências?

Valiant Thor também encontrou questões envolvendo a Guerra Fria, na época de sua estadia na Terra, questões sempre muito difíceis de serem resolvidas, mesmo por alienígenas repletos de soluções!
É como se estes filmes, produzidos antes, previssem a chegada do Líder venusiano, e aquele produzido depois, de alguma forma confirmasse esse grande evento altamente “top secret”.

Outro filme extraordinariamente profético, por ter sido realizado em 1951, foi “O Dia em Que a Terra Parou”, um filme americano do gênero ficção científica, dirigido por Robert Wise. O filme narra a visita de um ser alienígena à Terra e o seu apelo para a paz entre os povos do planeta.

O filme foi um apelo pacifista ao fim da guerra fria, que estava ainda na sua fase inicial. Foi baseado no conto Farewell to the Master, do escritor Harry Bates.

Uma nave espacial aterra em Washington, DC trazendo o alienígena Klaatu e seu robô Gort. Eles trazem um ultimato aos líderes da Terra para que acabem com as guerras e a corrida armamentista, o que estaria preocupando os habitantes de outros planetas.

Logo no desembarque, Klaatu é baleado por um soldado que o julgava inimigo. É levado a um hospital, onde se cura rapidamente e recebe a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, a quem pede ajuda do presidente para organizar uma conferência de líderes mundiais. O secretário encaminha sua proposta ao governo, que a rejeita.

(***)

Temos aqui uma incrível soma de sincronismos e paralelismos que não temos como negar que, pelo menos, duas situações aconteçam aqui:

Muitas vezes, seres humanos são usados inconscientemente pela Providência Divina em suas obras aparentemente casuais para manifestar certas verdades encobertas ao mundo e, muitas vezes, alguns produtores e diretores de cinema, de alguma forma, entram em contato com informações sigilosas e extra-oficiais as quais roteirizam em seus filmes, apresentando-as como ficção e não realidade… muitas vezes, disfarçando tudo com um estilo cômico e despretensioso, da mesma forma como muitos filmes da atualidade fazem, claro, tirando os exageros flagrantes.

Spilberg não me deixa mentir!

Segue o filme completo, para quem tiver curiosidade.

 

JP em 04.11.2019

 

 

Comentários