Templates by BIGtheme NET

Buracos Negros na singularidade existencial

Quando descobrirem que o coração de cada átomo é composto por um mini buraco-negro sustentando a estrutura-raiz da matéria, então juntarão com a Teoria dos Buracos Negros em larga escala, macrocósmica, até completar uma visão cosmológica maior, compreendendo que cada um destes objetos é apenas um FURO no tecido do espaço-tempo, mantendo o equilíbrio (feedback) da matéria-energia total do sistema em questão.

Aquelas forças forte e fraca ainda mal definidas dos núcleos atômicos, grudando prótons e nêutrons entre si mesmo debaixo de intensa força eletromagnética de repulsão, seria o resultado de um mini buraco negro ali atuante. E o átomo seria então, nessa concepção, a resultante final das forças em equilíbrio, de igual sorte acontecendo nas estrelas e galáxias, produtos ou resultantes finais de todas as forças e taxas de matéria-energia em equilíbrio atuantes.

Trocas de energia não somente nesta dimensão, mas com outras dimensões, exigiriam um canal, um escape: buracos negros, de micro ou macro tamanhos, nos centros dos sistemas constituídos, completaria uma visão maior e mais complexa do Universo, a caminho das outras dimensões.

Veríamos os sistemas como eles realmente são, um dipolo energético, um Yang-Yin que pulsa, que emite e absorve energia, nesta e noutras dimensões.

Buracos negros são, todos eles, a chave para a descoberta real das outras dimensões do universo.


Ps: não acredito na existência da Matéria Negra. Pra mim, ela é uma tentativa de preencher um sintoma desconhecido do próprio tecido do espaço-tempo. Granulações do espaço, do tecido espacial, com diferentes gradientes de concentração por causa das variações de campo gravitacional ao redor dos sistemas estelares e galácticos.

Se o tecido do espaço-tempo se distorce na presença de campos gravitacionais, ele é alguma coisa. Ele tem algum tipo de elemento desconhecido que, distribuído irregularmente nas camadas dos sistemas observados, aparentemente se comporta como matéria. Mas não é exatamente matéria. Se aproxima mais da concepção antiga do ÉTER ou meio imponderável onde os astros se moviam no céu.

A Quarta dimensão é o Éter dos antigos, ela explica a propagação das ondas eletromagnéticas e gravitacionais sem a necessidade de um meio de preenchimento espacial.
Ela é o meio!

Mini buracos negros viajando pelo espaço? Pode ser uma outra leitura de núcleos atômicos dispersos, soltos, destituídos de sua coroa eletrônica e núcleo de prótons e nêutrons, talvez devido a fenômenos envolvendo grande liberação de energia, no nível das explosões estelares ou fusões galácticas, quem sabe?

JP em 02.02.2019

 

Comentários