Templates by BIGtheme NET

ATEMPORALIDADE

Não existe viagem ao passado e nem ao futuro.

O que existe é aproximação com o estado de atemporalidade numa dimensão superior.

Viajantes do tempo podem saltar anos a frente ao esbarrar na faixa da atemporalidade.

Não podem voltar ao passado para mudar situações no futuro.

A Relatividade de Einstein é bastante clara sobre isso.

O gêmeo viajante esbarra na faixa da atemporalidade de modo que envelhece muito menos que o gêmeo que ficou na Terra. Ele não viajou para o futuro, apenas bloqueou o fluxo de tempo em seu sistema biológico, porque esbarrou na atemporalidade.

O grande segredo dos viajantes do tempo é se mover na faixa atemporal de t=0.

Não precisam viajar no passado para modificar o futuro criando vários caminhos de realidade paralela, nem se prender em loopings infinitos sem qualquer sentido.

Apenas precisam se mover na faixa da atemporalidade, chamada de Quarta Dimensão.

Ali podem realizar uma espécie de controle sobre matéria e energia, ciclos e realizações.

Ali terão todo o tempo para isso. Literalmente.
Essa coisa de viagem ao passado para mudar ou determinar o futuro é outra grande baboseira importada dos Estados Unidos, que se apoiaram na carona da Teoria da Relatividade de Einstein e suas inúmeras matrizes secundárias.

Neste caso, arte nunca vai imitar a ciência.

O que existe é a conquista da atemporalidade.

Estudando a natureza, vemos claramente que ela é econômica, e não desperdiça energia a toa.

A viagem no passado e no futuro é uma desnecessidade quando a natureza dispõe da Lei dos Ciclos para suprir suas questões de retorno da consciência para sistemas de matéria-energia renováveis.

Viajamos todos os dias para o futuro quando amanhece o dia,

Mas se quiser, a gente explora a fundo a Teoria da Relatividade para demonstrar que não existe tal conceito.

Ele é pura ficção.
Basta compreender a envergadura do conceito ATEMPORALIDADE, que iremos compreender velozmente quão ilusória é essa perspectiva investida pesadamente em Hollywood.

Para entender o que significa atemporalidade, temos que entender o SALTO NO TEMPO.

Temos dois exemplos bem interessantes, um bíblico e outro mais moderno.

O primeiro é um relato do profeta Jeremias, e o protagonista, antes da experiência, “adormece”, ou seja, altera seu estado de consciência, e salta no tempo ao acordar.

Não se trata exatamente de uma viagem no futuro: se trata de ter ele se colocado por algum tempo no Hiperespaço e não ter sofrido a ação do tempo, enquanto sua cidade e as pessoas envelhecem, e as coisas se modificam.

Ele apenas entrou no Hiperespaço.

O outro, um caso bem recente, do russo Sergei Paramanenko, que saltou de 1958 para 2006.

Sim, o conhecimento da Quarta dimensão e de uma Hipermecânica (o sentido de movimento no Hiperespaço) conceitua muito sobre atalhos no espaço, mas pouco ou nada fala sobre os ATALHOS DO TEMPO.

Foi o caso (entre outros) deste moço ucraniano e de Abimeleque, no relato de Jeremias.

A mecânica no Hiperespaço igualmente permite atalhos no tempo – mais precisamente, saltos no futuro (nunca ao passado, isso contraria as relações do tempo e espaço com as dimensões em relação ao eixo central da RODA que sustenta tudo isso, chamada ETERNIDADE).


No caso, talvez por interferência UFO, este jovem simplesmente penetrou na Quarta Dimensão e, quando percebeu. tinha saltado no tempo por um atalho temporal, ou seja, 48 anos (de 1958 a 2006).

É que, na Quarta Dimensão, o tempo não passa (as equações de Einstein revelam que o tempo tende a ZERO, quando perto da dimensão paralela, rompida depois da velocidade da luz – limite).
Então, quando, por efeito do UFO (provavelmente), o rapaz penetrou no Hiperespaço ou dimensão paralela, entrou também em outra dinâmica de tempo, e deixou de viver BIOLOGICAMENTE AQUELES 48 ANOS que viveria se continuasse aqui, no mundo físico tridimensional.

O mesmo conceito de atalho de espaço (Wormholes), só que desenvolvido em sentido de tempo: atalho temporal, também inserido dentro do conceito da Física que estuda Wormholes.

Ambos os fenômenos se interceptam dentro da dinâmica do Hiperespaço, uma vez que, lá, tempo e espaço são altamente relativos, perdendo aquela condição rígida e imutável que sentimos aqui, no mundo tridimensional.

Lá, tempo e espaço são, de fato, distorcíveis, como tecidos sob influência de energias e vibrações específicas (lei da Ressonância). Espaço e tempo são dois aspectos coexistentes de uma mesma engrenagem criada para dar sustentação e estrutura aos sistemas materiais e energéticos do universo.

Todas as experiências atemporais podem ser explicadas em função destes saltos hiperdimensionais (espaço e tempo são coordenadas interligadas, uma não funciona sem a outra), com a explicação mais apropriada do fenômeno em si mesmo, sem apelarmos para as tais viagens fictícias ao passado na tentativa de mudar o futuro, e vice-versa.

Cada decisão nossa, na verdade, é um passo diferente na textura do espaço-tempo a seguir.

Cada passo dado agora será um comando no passado nos remetendo para uma realidade nova a frente, e que só pode ser mudada no eterno presente, com renovados passos e decisões…

E dependendo da estrada de tempo que você tomar, poderá saltar em relação a outras estradas mais lentas, mais demoradas. Isso sim é possível num universo multi-dimensional e multi-temporal que, no final das contas, envolve uma realidade adimensional e atemporal, porquanto seja Infinita e Eterna, nos domínios do Sagrado…

Lembrando que, por mais avançada que seja uma linha tecnológica, ela jamais poderá alterar os padrões legais da Natureza e as leis do Universo.

No máximo, poderá reproduzí-las, não alterá-las.

Por tudo o que cruzei sobre o assunto TEMPO, (que eu particularmente adoro), entre teorias modernas e filosofias antigas, muitas delas coincidindo maravilhosamente, e também dentro de certas experiências pessoais, conclui que a Atemporalidade é a Realidade final que dissolve o Tempo como conceito ilusório. E dentro dela, não há a menor necessidade de viajar do passado ao futuro e vice-versa, haja visto que os CICLOS fazem isso o tempo todo, mas a gente não percebe muito bem.

O dia de hoje tem em sua matriz grande parte das causas postas pelo dia de ontem. O dia de ontem teve em sua matriz grande parte das causas postas pelo dia de anteontem, e assim, linearmente para trás (ou circularmente)?
E da mesma forma, para os dias do amanhã, na mesma roda.

De modo que, agora, somos viajantes do passado no presente, colocando todas as matrizes do amanhã em funcionamento.

Os maias tinham um conceito de tempo bem parecido, e ganham o mérito de terem criado (eles não, os seus tutores do céu) o melhor calendário, e mais preciso, construído em todo o planeta.

Ele se baseia na questão relativa do tempo, que para eles, carregava a simbologia do número 13 (morte-transformação) e interagia com todas as coisas vivas, todas as formas e toda a natureza.

Entender o tempo como desdobramento do espaço, e ambos, como suportes invisíveis da matéria-energia, que por sua vez se transformam de acordo com as suas diretrizes, é para mim o caminho mais lógico para se compreendê-lo.

Já me diverti muito com as ficções do cinema.

Mas elas me ensinam tudo o que o tempo não é (salvo algumas exceções).

Gosto muito de estudar o tempo e de entender como o seu fluxo me atravessa, corpo e mente, o mesmo fluxo que calibra os relógios. Aliás, até já consegui realizar um experimento onde parei dois relógios dentro do meu quarto, a custa de vibrações específicas. Mas isso é outra história.

Também adoro o Calendário Maia, que os astecas reproduziram nessa pedra aqui. Para alguns, apenas mitologia em alto relevo. Mas para outros, e para mim, o relógio integrado do Universo. Entender o tempo nos leva necessariamente a entender OS TEMPOS. Tempo é tempos. Esse é outro argumento importante. Imagino o tempo como uma roda múltipla, com várias sub-rodas concêntricas, cada qual é uma dimensão e seu tempo, todas mantidas pelo eixo da atemporalidade ou eternidade.

Tempo são tempos.

Espaço é dimensões.

Somos muitos tempos, muitas dimensões. Mas um único eixo, que é eterno e atravessa o infinito de ponta a ponta.

Nós mesmos somos muitas rodas num eixo atemporal chamado espírito. Corpo, mente, emoções, instintos, sonhos, nascimento,morte, cada faixa da nossa vida é um disco, tem seu tempo próprio, sua dinâmica de energia, sua memória, finalidade, consciência, enfim.

É vasto, complexo, lindo e simples.

E no final das contas, as pessoas reclamam sempre que nunca tem tempo pra nada… o melhor a se fazer é buscar os recursos da eternidade ou momento presente… nela é que mora uma porta misteriosa. Todas as mentes estão polarizadas entre o ontem e o amanhã; a Iluminação budista prega que você só desperta se fixar sua atenção no presente. Mas o adormecimento coletivo deriva do fato de que uma Onda de Ilusão chamada Tempo polarizado (passado-futuro) invade e condiciona todas as mentes entre eventos que elas ficam lembrando de ontem, e eventos que elas vão fazer amanhã ou daqui a pouco.

Diz a regra de ouro: se você puder permanecer por alguns instantes com a mente parada e fixada no AGORA, você verá a eternidade através de uma fresta, e despertará.

E quando sua mente recebe a claridade daquele Oceano chamado Atemporalidade, ela nunca mais volta a dormir, e se dorme, sempre se lembra que deve despertar urgentemente outra vez, e assim seguirá até entrar definitivamente do outro lado, e não sair mais de lá.

E estando lá poderá contemplar com consciência todos os fenômenos no mundo material sem o risco de cair na hipnose outra vez.

A cada 24 horas a Terra se realinha no espaço, mas nunca se realinha exatamente, considerando o movimento do sistema solar, e da galáxia, etc. Nunca há realinhamentos espaciais, na verdade…


O tempo é uma espiral matemática, esse tipo de coisa, de coincidência cronológica, acontece bastante, podemos atribuir a isso não uma coincidência, e sim, uma sincronicidade dentro de eventos que se repetem, no caso, os jogos da Copa. Na nossa vida, podemos experimentar essas mesmas sincronicidades, coincidências numéricas, enfim, tudo procede das relações matemáticas do tempo, já que suas coordenadas são sempre positivas, isto é, não existe tempo negativo ou voltar para trás.

Temos como realizar essa viagem atemporal se quisermos, sem nenhum dispositivo tecnológico. Nosso corpo está dentro do tempo, mas não a nossa alma, ela vive em t=0. Se sintonizarmos a mente não com o corpo, mas com a alma, entenderemos de vez o que significa viver em t=0.

Os mestres antigos inclusive, conseguiam transferir a atemporalidade da alma para o corpo, e o resultado?
Adeus doenças, adeus velhice… adeus morte!
É possível!
Claro!

Mas temos que aprender a deslocar a mente do corpo-tempo e focá-la na alma/espírito atemporal.

Esta é a chave.

A alma entra na esfera da atemporalidade quando experimenta estes estados de consciência, e dentro dessa esfera, passado e futuro se confundem dentro do mesmo círculo fechado, de modo que, dependendo do grau de percepção da pessoa, ela realmente pode captar os sutis movimentos do tempo (ciclo) relacionados aos objetos/situações/pessoas da experiência.

Porque, pela teoria da atemporalidade, o futuro é o efeito imediato do passado, a causa.

E dentro desse jogo, há graus e graus de previsibilidade.

Como a meteorologia. Voce pode prever o futuro do clima com razoável grau de acerto tendo por base os movimentos atmosféricos do presente, que se torna a causa-passado do clima a seguir.

Leis de ciclo em uma análise mais profunda é que permitem tais sonhos e experiências.

Mas para mentes ainda mais preparadas, conseguem sondar os SONHOS PREMONITÓRIOS DO PLANETA e de toda a humanidade via Inconsciente Coletivo.

A estes chamamos PROFETAS.

Ps: a atemporalidade ou t=0 está representada pelo centro da roda que não gira (a roda é o tempo), com infinitas curvas e seus tempos relativos a cada dimensão experimentada pelo observador.

O interessante é que lapsos de tempo acontecem concomitantemente a mudanças dimensionais do observador, o que somente reforça e amplifica a bela Teoria da Relatividade.

Um modelo: imagine um pêndulo de colisão, onde um objeto de massa m colide colide com outro igual, de massa m também, e transfere toda a sua energia cinética (desconsidere as perdas) num movimento contínuo. Passado e futuro, causa e efeito… a bola que colide é o passado, e a que recebe a colisão, o futuro. Mas a bola que colide, pára, e a bola colidida, se move, e depois retorna, para bater na bola que estava parada, aí o fluxo inverte, a que bateu se torna passado, e a que recebe a pancada, o futuro, e isso ininterruptamente dentro do tempo. Estamos dentro dessa mecânica fechada porque a energia e a matéria subsistem e só existem dentro dela. A atemporalidade é algo que transcende toda observação concreta, nem se trata de um novo referencial propriamente dito, mas de uma nova consciência, para que se possa compreender isso.

Essa é a chave: a Atemporalidade, t=0.

Dentro dela, passado e futuro estão saturados como potenciais de memória e de possibilidade latente.

O passado tem a semente, o futuro, o fruto.

E é dentro da atemporalidade que se tem controle e conhecimento prévio de um e outro.

A grande chave do Universo quadridimensional é a atemporalidade, e dentro dela, entramos nos famosos estados alterados de consciência.

Eu pessoalmente costumo ter muitos sonhos com o futuro, que acontecem. Minha mente apenas entra na atemporalidade, o que é mais fácil quando dormimos ou meditamos do que quando estamos acordados,presos na vigília racional dos sentidos.

Todos os dejavus, se devem a isso.

Voce entra no atemporal do universo e penetra na consciência onisciente de todos os departamentos da criação.

A divisão passado-futuro cessa.

E voce passa a viver o eterno presente.

Nada que os antigos meditadores do Tibet não tenham experimentado sobre outra definição: A Roda do Tempo fica parada… o passado não desce pela esquerda, o futuro não sobe pela direita, e você experimenta a vivência do eixo da Roda, eixo esse que atravessa todas as dimensões em t=0.
Para descobrir que o tempo é a maior de todas as ilusões.

Isso dá uma bela página de física da alma.

 

JP em 02.02.2019

Comentários