As Quatro Praias do Mundo Astral

Os sonhos e as impressões psíquicas contidas no sono leve da manhã, antes do despertar, funcionam como tangentes coladas na curva da dimensão paralela mais próxima, porque o próprio plano Astral/Mental da Quinta dimensão tem quatro setores muito bem definidos:

  1. O ASTRAL PRÓXIMO
    Esta é a primeira curva tocada por nossas experiências fora do corpo físico, estas que acontecem ali mesmo em nosso quarto, ou dentro de nossa casa, ou nas ruas próximas, envolvendo pessoas conhecidas e familiares.
  2. O ASTRAL MÉDIO
    É a faixa planetária, ou seja, a contraparte penta-dimensional do nosso mundo inteiro. é caracterizado pela quinta dimensão dos países, das cidades, de todos os lugares da Terra, desde os oceanos mais profundos até as montanhas mais elevadas, e em certa faixa da atmosfera e das esferas de energia que envolvem a Terra, bem abaixo da órbita lunar. Seria a Terra 5D.
  3. O ASTRAL SUPERIOR
    Trata-se da faixa 5D que começa exatamente na órbita lunar, o primeiro céu nas cosmologias da antiga Cabala, regência do Anjo Gabriel e da primeira hierarquia, Anjos ou Mensageiros, colocados imediatamente entre as camadas mais elevadas do Universo e a Terra, com a função de primeiros mensageiros e intermediadores entre a Vontade Divina Superior e a humanidade na Terra. O Astral superior se eleva acima do céu da Lua, e se articula nas órbitas de todos os planetas solares, e sobe ainda mais, alcançando as curvas das órbitas das estrelas da nossa galáxia, e além. Imagine a contraparte 5D de tudo isso, e terá a concepção do Astral superior, ou os céus dos espíritos superiores e já transcendidos de toda materialidade, desejo e ilusão.

É o Universo 5D retratado pela Árvore Sefirótica, do qual a Terra é a base ou ponto de apoio

4. O ASTRAL INFERIOR
A faixa 5D da zona intra-terrestre, aquela que todas as culturas antigas situaram como contraponto do Astral superior, e foi chamada pelo termo INFERNUS (região inferior, situada em baixo), e nas diversas culturas, com nomes sinônimos e relacionados a MORTE, como Hades, Orco, Sheol, Xibalba, Limbo, Tuat, Tártaro, Caos, etc, e em todas elas, sem exceção, cumpriam a morada das almas dos mortais após a morte, enquanto que a morada das almas imortais era a dimensão superior e celestial, fora da Terra: os mortos ficam muito dentro da Terra, na verdade.

Todas essas quatro zonas ou faixas da Quinta Dimensão são reais, apesar de invisíveis para os olhos e toda a instrumentação científica moderna, porém, podem ser alcançadas pela consciência encarnada que sabe viajar nas tangentes do pensamento que tocam as curvas dos círculos dimensionais paralelos, cada qual exigindo sua demanda de energia para efetuar os saltos.

E o Astral local ou próximo de nós, a faixa 5D de nossa rua, nossa casa, nosso quarto, cama, corpo deitado, enfim, é a tangente mais próxima e acessível ao pensamento quando ele se encontra naquele estado entre o sono e o despertar, típico das horas e minutos antes do amanhecer, onde muitos de nós têm visões e audições reais do mundo astral paralelo a tocar nossa realidade física imediata, como se nosso pensamento se comportasse como um espelho virtual que projeta tangentes de energia mental na curva dimensional imediatamente mais próxima, aquela que a tradição dos séculos nomeou de SONHOS…

Após a morte, poucas almas ascendem ao Astral superior, e muitas almas descem ao Astral inferior, sabendo que no Astral próximo e médio deste nosso mundo ainda estamos todos nós, os vivos, aprendendo a subir…

Observação: os antigos sábios definiram, segundo a Geometria Sagrada, que o Universo da Quinta Dimensão era representado pelo Dodecaedro, o sólido perfeito com faces pentagonais, porque o Pentágono e estrela de cinco pontas é o homem de braços abertos e pernas afastadas, signo do Cosmos mental que nos conecta ao Infinito 5D através do pensamento e das tangentes de projeção dentro dos cruzamentos das arestas deste modelo, trazendo nas soluções da Geometria sagrada as chaves para a viagem pelas dimensões paralelas.

Ciência perdida dos tempos!

JP em 13.01.2020

Comentários
Compartilhar