As duas faces do Tantrismo

“Tantra, yoga tântrico ou tantrismo é uma filosofia comportamental de características matriarcais, sensoriais e desrepressoras. Essencialmente, a prática tem, por objetivo, o desenvolvimento integral do ser humano nos seus aspectos físico, mental e espiritual.

“Tantra” é um termo sânscrito que significa “uso, trama, tecer”. Designava uma série de tratados indianos do século VII em diante sobre ritual, meditação e disciplina. A palavra “tantra” é composta por duas raízes acústicas: “tan” e “tra”. “Tan” significa expansão e “Tra” libertação.

Tal denominação tem as suas raízes em fatores históricos muito sutis, pois esta filosofia comportamental, durante a época medieval, foi severamente reprimida na Índia hinduísta, fortemente espiritualizada. Esta era a forma como os seguidores desta filosofia a viam. Libertadora, mas mantida em segredo (na escuridão).

Dispõe de imensos significados e interpretações, mais ou menos corretos, tais como “teia”, “trama” ou “entretecido”. “Tantra” pode ser interpretado, mais corretamente, como algo que é regulado por regras gerais.
Um dos significados que a palavra possui é “código”. Vale lembrar que o tantra é uma filosofia comportamental e que seus diversos significados giram em torno desse fundamento.”
WIKIPEDIA

Apesar dos termos altamente técnicos e, ao mesmo tempo, altamente imprecisos para localizar no Tantrismo a sua linha espiritual implícita à natureza orgânica da vida humana consciente, contendo nessa mesma vida orgânica consciente o potencial da transformação da consciência ilimitada, temos que o termo TANTRA significa tecer… tecer o destino de Anjo em existência humana pelas próprias mãos, já que a existência humana em nada depende de nós, senão que da tecelagem do Destino (o Criador).

Os textos antigos (de origem hindu) polarizam o Tantrismo em duas vias, a da mão direita e a da mão esquerda.

A via da mão direita é um conjunto de disciplinas realizadas pelo monge, pelo iogue, pelo asceta em estado celibatário (assexualidade) como Buda, e como ensinou Jesus Cristo, sem parábolas, de forma direta e clara.

A via da mão esquerda fala de disciplinas paralelas (dentro da mesma doutrina que mapeia as energias internas do corpo e da mente) porém a ser praticadas e seguidas por um casal (homem e mulher, logicamente) dentro de rituais sexuais específicos.

A via da mão direita pertence aos Anjos, porque sua ferramenta exclusiva é o poder da Palavra criadora, combinada com exercícios de controle da respiração, refinação dos instintos e desenvolvimento dos poderes da mente, enquanto que a via da mão esquerda, não pertencente aos Anjos, usa a sexualidade como principal ferramenta, o que significa o enraizamento do Instinto em níveis cada vez mais profundos da consciência encarnada, o que, em outras palavras, representa um claro processo de “animalização” da consciência humana, cada vez mais prisioneira do universo das sensações físicas incompatíveis em linha direta com o universo das sensações incorpóreas da alma.

São evidentemente vias opostas, com resultados finais opostos.
De uma nascem os Anjos, e da outra, nascem aqueles que se tornam cada vez mais animalizados e bestiais, porque não existe transmutação real aqui.

A doutrina da Mão direita é amplamente amparada pelas Escrituras bíblicas, do Velho ao Novo Testamento, que define ao sexo apenas uma função biológica reprodutora da espécie em nada associada a qualquer tipo de Ocultismo, e a instituição do matrimônio foi criada para legalizar famílias sobre a Terra, evitando assim a anarquia do sexo sem compromisso e altamente libertino, como era comum aos povos pagãos daquela época (e até hoje).

Quando Jesus fala que o discípulo deveria ir, sozinho, ao deserto (excluindo o conceito de casal e qualquer vínculo com sexo) e levantar a serpente na vara, como Moisés, ensina a via da mão direita, do asceta, do monge, do iogue, como o próprio Jesus Cristo realizou, dentro das formalidades típicas da Iniciação.

O Tantrismo da Mão direita ensina como tecer o destino de Anjo na existência humana, enquanto que o tantrismo da mão esquerda, incluindo práticas sexuais, se relaciona então com a ciência caída dos demônios, conceito que tem amplos registros na literatura antiga, não somente a bíblica ou a apócrifa.

Até na simbologia dos doze signos do Zodíaco, as duas formas de Tantra são representadas pelos signos Touro e Escorpião, opostos no mesmo eixo. Enquanto Touro, que rege a garganta, representa o poder criador dos Anjos no Verbo, Escorpião é a morada da queda da serpente, evento que nos tornou mortais (por isso, Escorpião faz analogia com a casa 8, a casa da morte, sendo que a Bíblia é explicita em afirmar que o pecado (original, subentendido) é o salário da morte.

Claro que o tantrismo clássico, como a Alquimia antiga e o Taoísmo, se valeram todos eles de símbolos sexuais para codificar as leis do binário em busca do andrógino primordial, mas o símbolo nem sempre é coisa literal.

Até porque a verdadeira sexualidade dos Anjos resulta em fusões de alma e pensamento, onde o Amor passa longe de impulsos carnais que nada tem de amor, mas apenas instintos travestidos de romance… mas espíritos caídos transformaram os símbolos em doutrinas literais, numa irresistível armadilha que exibia certo fruto que, se comido, daria ao casal não a morte, como falou Deus, mas poderes poderes e mais poderes que os tornariam imortais, como Deus…

Não lhe é familiar tudo isso?
Ou seja, a sexualidade biológica foi astutamente transformada, deturpada, em ocultismo por anjos da classe caída, classe da serpente. Porque a verdadeira sexualidade necessariamente transcende contato, que gera sensação, que gera desejo, que gera ilusão, que gera ignorância, que gera escravidão, porque gera morte (o Roda do samsara).

O Sexo físico é a roda do Samsara, porque o sexo dos Anjos nada tem de carnal.
O divino êxtase vem do amor vibrando em duas almas fusionadas… logicamente desconhecido por uma humanidade escrava, viciada mesmo nas sensações de prazer.

O Velho Testamento diz que existe três tipos de espíritos no Universo.

O espírito de Deus (Anjos), o espírito humano (o homem ainda é um animal) e o espírito do diabo (monstros).

Anjos e Demônios sempre batalharam entre si, e as literaturas místicas são repletas de guerras, sagas e dramas com essa temática. Anjos cantam e criam universos, mas demônios se arrastam na corrente dos instintos animais transformados em impulsos bestiais de ódio, depravação, gula e violência.

Mas o Tantrismo da mão esquerda mistificou perigosamente a luxúria, e ela se tornou uma armadilha para muitos praticantes modernos, que consideram seguir um esoterismo de origem “divina”, quando na verdade, se trata de ciência invertida e pervertida, difundida por demônios (Anjos caídos) na aurora da civilização, como declara o Livro de Enoque.

Essa artimanha de demônios é bem conhecida, a saber, roubar sabedorias divinas e invertê-las, dando-lhes sabor de doutrina sagrada justamente para tornar a armadilha de almas imperceptível.
A arte da armadilha reside na capacidade de se camuflá-la dos olhos dos andarilhos distraídos…

Ou seja, anjos caídos roubaram as ciências sagradas dos Anjos e seu tantrismo legítimo e enfiaram aí sexologias e mistificações carnais, deturpando-as completamente, ordem de coisas fortemente repreendidas pelo apóstolo Paulo em suas cartas durante sua evangelização, ele que foi um dos maiores canais da doutrina crística pura na Terra.

Mas nem precisamos ir tão longe assim: se Jesus Cristo, modelo de Filho de Deus encarnado, nasceu de uma Virgem e sem qualquer ato sexual envolvido, apenas pelo Poder da Palavra do Espírito Santo cobrindo a alma e corpo eleito da Virgem Maria, nada mais é preciso dizer como argumento a favor da doutrina real dos Anjos, filhos de Deus.

O nascimento de Cristo, em todas as suas partes, é, todo ele, a mensagem do Tantrismo dos Anjos, ou como nascem os filhos de Deus a partir do poder do Espírito santo cobrindo suas mentes e corpos virginais e puros!

Não se pode servir a dois senhores, ao desejo e a transcendência do desejo ao mesmo tempo. Ao materialismo e ao desapego de tudo o que é corpo, sensorial, prazer e posse, ilusões da mente quando a luz da alma encontra obstáculos físicos, projetando sombras…

Porém, estamos numa escola feita de escolhas, e bem e mal, anjo e demônio, luz e trevas, ascensão e queda, etc, tudo isso é tecido pelas escolhas da alma humana, segundo suas inclinações internas mais o conhecimento das coisas que elege seguir e praticar nessa vida.

E outra diferença poderosa entre o Anjo e o Demônio.
O Anjo aspira apenas servir de Instrumento do Criador, veículo do Amor incondicional, enquanto o demônio está centralizado no seu ego, fazendo da busca por PODER a sua exclusividade, poder esse com o qual ele controle e domine os demais… o oposto do Serviço do Anjo!

Assim, existe o Anjo, o Animal e o Monstro.

O Anjo é Criação divina, o Animal é criação natural, ambas perfeitas e puras, cada uma na sua esfera.

Mas o monstro é criação humana, de sua natureza imperfeita e impura, resultado da involução humana por efeito de seus erros, pecados e maus caminhos.

A escultura dos Anjos é realizada pelos instrumentos que Deus lhes colocou na garganta… e os animais, bem como o mundo vegetal e mineral, resultam da evolução natural cósmica.

Quanto ao monstro, ele é a caricatura grotesca do diabo dentro de nossa mente, soma de defeitos e impurezas que desfiguram a face humana natural e a tornam incompatíveis com a natureza Anjo.

Se o Anjo transcendeu os instintos, e se os animais vivem totalmente dentro do comando instintivo natural, os humanos que se tornam monstros são o triste resultado de instintos fora de controle, pervertidos, invertidos, contaminados, totalmente desfigurados em relação às suas funções naturais para as quais a existência material e evolucionária dotou nosso corpo.

Conclusão: o homem é um animal entre o Anjo e o Monstro, entre o Espírito de Deus e o espírito das trevas.
São as escolhas de cada um que vão esculpindo a face Anjo ou Monstro em sua alma ao longo da vida…
No final, o termo TANTRA como TECER faz todo sentido.
Deus dá os fios de lã … e nós tecemos a roupa que nossa alma vai usar na eternidade.

E quem tece o Anjo ou o Demônio a partir da nossa existência humana mortal é aquele átomo de energia divina encerrado no osso coccígeo, que pode ser a base do Templo Interior do Anjo, renascido pelo poder do Espírito Santo, como a cauda projetada do demônio, fruto das paixões proibidas e do ocultismo invertido.

Não somente o tantrismo antigo que sofreu deturpações, e todas aquelas aberrações contidas no Kama Sutra, porém, na modernidade o que não faltam são GURUS do Sexo, que no final das contas, acabam mistificando o sexo de tal forma que oferecem aos seus seguidores um tipo de prazer sem culpa, e pior, carregado de uma falsa espiritualidade, sendo que não passa de uma descarga da luxúria em manifestações ocultistas que nada edificam de legitimamente espiritual na vida de alguém, até pelo contrário…

Kundalini, o átomo-semente de deuses, e o tantrismo legítimo ensina como fazer esse átomo despertar seus plenos poderes na direção do segundo nascimento. É preciso portanto estudar a fundo para discernir a via direita da via esquerda, porque uma das habilidades mais consumadas de demônios é fazer um se parecer com outro em todos os sentidos… mas os resultados finais é que irão discernir sobre o joio e sobre o trigo colhido das escolhas…

A degeneração sexual é sempre a característica mais forte de sociedades involutivas…

Tudo nessa vida tem duas faces, dois aspectos, dois pesos e medidas: o Bem e o Mal, a verdade e a mentira. E um dos fundamentos da consciência desperta é a capacidade de discernimento entre uma e outra coisa.
Contudo, não há como conciliar verdade e mentira, nem bem e mal.
O que nos resta fazer é aprender para escolher, e escolher bem.
Porque das nossas escolhas dependerá a sobrevivência de nossa alma no Universo dos conceitos com os quais vamos construindo ou mesmo desconstruindo a nossa própria consciência…

JP em 31.01.2020

Comentários
Compartilhar