Templates by BIGtheme NET

Alguns padrões das grandes pandemias

  1. Peste Negra

Peste negra (ou Morte negra) é o nome pela qual ficou conhecida uma das mais devastadoras pandemias na história humana, resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia. Somente no continente europeu, estima-se que tenha vitimado pelo menos um-terço da população em geral, sendo o auge da peste acontecendo entre os anos de 1346 e 1353. A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis,transmitida ao ser humano através das pulgas (Xenopsylla cheopis) dos ratos-pretos (Rattus rattus) ou outros roedores.

2. Gripe Espanhola

A gripe espanhola, também conhecida como gripe de 1918, foi uma pandemia do vírus influenza incomumente mortal. De janeiro de 1918 a dezembro de 1920, infectou 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época. Estima-se que o número de mortos esteja entre 17 milhões[a 50 milhões, e possivelmente até 100 milhões, tornando-a uma das epidemias mais mortais da história da humanidade. A gripe espanhola foi a primeira de duas pandemias causadas pelo influenzavirus H1N1, sendo a segunda ocorrida em 2009

3. Coronavírus 2020

A pandemia de COVID-19 é uma pandemia em curso de COVID-19, uma doença respiratória aguda causada pelo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2). A doença foi identificada pela primeira vez em Wuhan, na província de Hubei, República Popular da China, em 1 de dezembro de 2019, mas o primeiro caso foi reportado em 31 de dezembro do mesmo ano. Acredita-se que o vírus tenha uma origem zoonótica, porque os primeiros casos confirmados tinham principalmente ligações ao Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, que também vendia animais vivos. Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou o surto uma pandemia. Até 23 de março de 2020, pelo menos 318 209 casos da doença foram confirmados em mais de 180 países e territórios, com grandes surtos na China continental (mais de 81 000 casos), Itália (mais de 59 000 casos), Estados Unidos (mais de 32 000 casos), Espanha (mais de 28 000 casos) e Alemanha (mais de 24 000 casos).[10] Pelo menos 13 664 pessoas morreram (mais de 5 400 na Itália, mais de 3 200 na China e mais de 1 700 na Espanha) e cerca de 94 700 foram curadas.
(Wikipédia)

Posicionamento dos grandes planetas em trânsito no Zodíaco às épocas relatadas das três grandes pandemias:

Peste Negra (1346 – 1356)
No ano de 1346, Júpiter e Saturno estavam reunidos no céu, signo de Aquário, se movendo para Peixes.
Urano estava em Áries, se movendo para Touro, quando entrou neste signo no ano de 1348.
Plutão estava em Áries também, e Netuno, em Aquário, entrou em Peixes no ano seguinte após a pandemia, em 1357.
Isso significa que Netuno completou quatro ciclos orbitais no ano de 2020, quando volta a estar em Peixes, e com Júpiter e Saturno transitando próximos, na conjunção que vai ocorrer em dezembro deste ano.

Gripe Espanhola (1918-1920)
No final do ano de 1920, Júpiter e Saturno novamente se reuniram no céu, na constelação de Virgem (a reunião de Júpiter e Saturno ocorre a cada cerca de 20 anos)
Urano em Peixes, Netuno em Leão. Final da Primeira Guerra Mundial.

O padrão planetário que mais pareceu se repetir agora, em 2020, foi aquele visto no tempo da Peste Negra.
Mas o padrão mais marcante nas duas pandemias é o que se relaciona à ocorrência de Guerras importantes ao mesmo tempo em que as pandemias aconteciam: Essa peste integrou a série de acontecimentos que contribuíram para a Crise da Baixa Idade Média, como as revoltas camponesas, a Guerra dos Cem Anos e o declínio da cavalaria medieval.
Na verdade, as guerras eram muito comuns nesse tempo, envolvendo camponeses e senhores de feudo, Igreja e hereges, reis e plebeus…

Enquanto que a Gripe Espanhola ocorreu ainda dentro da Primeira Guerra Mundial.
E essa conexão entre pandemias e guerras torna tudo ainda mais preocupante.
Porque parece haver um fio de conexão entre esses dois eventos.
Ou seja, pandemias costumam acontecer em tempos e guerras importantes, e vice-versa!

JP em 23.03.2020

Comentários