Templates by BIGtheme NET

A Verdade sobre os Arcontes além das falsas interpretações

 

 

PISTIS SOFIA E O MUNDO DOS ARCONTES

A grande verdade é que os textos gnósticos da sabedoria antiga têm caído nas mãos de canalizadores ignorantes e ufólogos confusos, que vem destruindo seu significado original em constantes publicações sobre o assunto, vendo neles, como sempre, registros de raças demoníacas extraterrestres invasoras e controladoras da Terra, como reptilianos e similares, sendo que o próprio homem é o principal Arconte maligno nesse sentido.

O réptil mais perigoso é ainda aquele que mora nas cavernas do Ego humano.
E a tendência do ego humano olhar no espelho e ver maldades e malignidades em tudo procede do óculos que ele vem usando esse tempo todo.

O que fizeram com o valioso texto da sabedoria greco-egícpia, o PISTIS SOFIA e outros textos similares da época?

Interpretações totalmente equivocadas, adulteradas, forçando uma direção desejada para se demonstrar pontos de vista pessoais…

O Pistis Sofia e o universo dos Arcontes  não é nada disso que se tem pregado modernamente! Fizeram uma mistura confusa de idéias, e estão procurando chifre em cavalo.  Sempre, sempre uma tendência clara a satanizar, diabolizar os valores espirituais de muitos escritos antigos por pura especulação teórica subjetiva sem nenhuma consciência objetiva desperta do assunto.

Vem alguém, pega um texto qualquer, raciocina sobre esse texto, tentando enquadrá-lo nas modernas teorias da conspiração, e então, uma fabulosa deturpação acontece.

 

 

O Pistis Sofia, um dos escritos antigos mais ricos de Gnose greco-egípcia,  significa A FIEL SABEDORIA, fala de Jesus Cristo na companhia dos apóstolos por 11 anos após a ressurreição, explicando todas as estruturas hieráticas do céu, da Terra e dos mundos inferiores, com seus anjos, deuses, demônios, seres da luz e das trevas, o que, antes é uma novela psicológica do Auto-conhecimento.

Uma linda visão cosmológica da sabedoria gnóstica antiga, que vem sendo deturpada por diversos autores modernos. Lamentavelmente… tudo é Alien, e de preferência, tudo é Alien-Monstro.

Aliens malignos estão se fazendo passar por seres bons nas mentalizações de muita gente… cuidado, fomos advertidos que esse dia chegaria… eles se disfarçariam de seres de luz… os Aliens irmãos são humanos muito parecidos conosco, não são caricaturas de gafanhotos…

Arconte no singular, (em grego: αρχων, transl. arkhon, o responsável por um arkhê, “cargo”) era o título dos membros de uma assembleia de nobres da Atenas antiga e, por extensão, no uso simbológico atribuído aos antigos textos gnósticos, Arconte seria qualquer um dos seres de Hierarquia divina que foram criados juntamente com as esferas do mundo material por uma divindade subordinada chamada o Demiurgo (Criador), para trabalharem como co-criadores e mantenedores dos sistemas de mundos.

 

 

O Coro dos nove céus, definido por nove classes de Hierarquia Angelical, são os Arcontes, são os membros da Criação, trabalhando para o Grande Demiurgo, nome que significa CRIADOR.

Demiurgo (grego, δημιουργός, demiourgos) significa “o que trabalha para o público, artífice, operário manual”, demios significando “do povo” e -ourgos, “trabalhador” (como em ergon, trabalho).

Demiurgo é apenas CRIADOR, Deus no arquétipo solar. Só isso e simplesmente tudo isso!

 

 

No mesmo Pistis Sofia (e em outros escritos) há lideranças do bem e do mal, há demônios, como Adamas e seus monstros, nas dimensões inferiores, mas há, e principalmente há, Anjos, Espíritos dos Planetas, deuses, Zeus, Afrodite, Ares, Jeu, a Virgem de Luz, o Guardião da Luz, IAO, o Grande, Sabaoth etc etc etc… que era a forma que os gnósticos nomeavam as potências da Luz do Universo, personificando planetas e estrelas dentro de uma linda cosmologia harmônica, porque para os antigos, os setores do céu tinham nomes de líderes e hierarquias angélicas.

 

 

Isso fica bem esclarecido no Livro de Enoque, da mesma origem gnóstica antiga, naquele capítulo onde Uriel mostra o céu zodiacal em todos os seus setores, e nessa cosmologia, está o Bem e as Inteligências da Luz dominando nos céus, e o mal acorrentado nos infernos. E a TERRA na zona média, entre ambas, onde ficam os seres humanos inconscientes, ainda sem sabedoria para definir todo o Universo espiritual que o rodeia.

No Universo de Pistis Sofia, conforme a cosmologia da visão gnóstica antiga, existiam círculos superiores e inferiores nas escalas do Cosmos consciente, e seres do bem como seres do mal. Os seres do mal, seus líderes, suas denominações, suas regiões tenebrosas, em oposição aos seres da luz, suas denominações, e suas regiões celestiais nas dimensões superiores, a organização sefirótica dos 13 Eons ou dimensões, a Grande Árvore da Vida, cujo trono superior era de Cristo ao lado de Pistis Sofia, sua esposa idealizada, a Luz encarnada, a Sabedoria Fiel aos valores cristãos, que desceu aos círculos inferiores para exercer seu teste de consciência e fé na Verdade revelada!

Todo o enredo do Pistis Sofia também é uma metáfora de autoconhecimento, desde a queda de Pistis Sofia nas regiões das trevas, isto é, a queda da nossa alma na matéria e suas ilusões, até sua ascensão ao 13 Eon, o trono de Cristo, que é sua morada original.

Quem estuda profundamente a sabedoria antiga e é um gnóstico esclarecido, deve conhecer bem o símbolo abaixo, chamado ABRASAX (ou para o nosso idioma, ficou ABRAXAS).

 

ABRAXAS IAO (ou ABRASAX)

 

Abrasax é um termo grego relacionado ao Demiurgo, o Criador, e provavelmente é um acróstico. Suas letras somam 360, intencionalmente, para identificar o círculo das potências celestes, ou o Zodíaco, que é o percurso do Sol, na antiguidade, identificado como o Abraxas e o Demiurgo (360° do grandecírculo zodiacal).

Então, essa figura é uma antiga chave de poder gnóstica, ou sabedoria egípcia codificada pelos gregos.

Uma espécie de QUIMERA, com pernas de serpentes, com corpo/tronco de homem e cabeça de Galo. Ele tem um chicote e um escudo. E as letras IAO, em muitos desses signos, geralmente entalhados em pedra.

O Pistis Sofia tem uma relação direta com Abraxas-IAO.

 

 

As pernas em forma de serpente significam a mesma coisa que o caduceu de mercúrio, ou seja, a chave da combinação do binário mental (nosso sistema nervoso é todo polarizado, a partir do cérebro com dois hemisférios.

Conciliar as duas correntes nervosas é uma forma de se gerar luz – AUR – e isso também pode ser explicado no controle da respiração, duas narinas, transmutação, etc).

O tronco masculino sugere um guerreiro, e a figura sugere ser um homem realizado em poderes acima do normal – um Iniciado, segundo os modelos do antigo Egito.

 

A cabeça de Galo é o maior segredo, porque dela tiramos o paralelo com passagens bíblicas conhecidas. O Galo cantou e o Sol nasceu depois das negativas de Pedro.

O Galo cantou três vezes… três, número sagrado para os gregos e egípcios, o antigo Delta que contém o Olho da Onisciência Divina ou a letra G, de modo que
GALO = GAIO = G.IAO

Gaio é o nome de um misterioso presbítero da Igreja que o mesmo JOÃO EVANGELISTA usou como código numa de suas cartas (A Terceira Epístola de João)

 

 

No Pistis Sofia, Jesus invoca ao Pai no nome IAO, e pesquisando, o Nome de Deus IAO já era conhecido no antigo Egito sob formas paralelas a YAHO, o que nos leva imediatamente a YHWH e o Tetragrama.

Esse signo de poder é uma síntese do segredo dos Arcontes, das Esferas e das potências, conforme ilustram as sabedorias gregas de Pitágoras (Mùsica das Esferas). O Chicote é a simbologia do RAIO, a espada ou a Palavra de Poder.

O Galo canta e o Sol nasce. O Galo canta e a Luz brilha.

Jesus cantou IAO e invocou as Potências celestes do arco de 360° do Demiurgo Criador, o SOL.
O Escudo é outra figura solar, disco, idéia de proteção.

Muito há que se falar desse símbolo que percorreu, junto com o Pistis Sofia, muitas culturas pós-gregas com sua sabedoria oculta. Mas no final, ele resume o status de um Iniciado que transmutou suas energias polarizadas e forjou a espada do Verbo na Garganta, e por isso, pode invocar as potências do céu, como Salomão e a ciência dos 72 gênios, que foi outro sábio que entrou em contato com a sabedoria do antigo Egito e seus sacerdotes que sabiam como invocar os gênios, os Anjos do céu, os Arcontes e guardiões das estrelas, planetas e signos do Zodíaco, identificados como o Carro de Uriel e o trono do Demiurgo, o Sol.

O símbolo e Abraxas-IAO sofreu muitas mutações, inclusive indo parar nas mãos dos Cavaleiros Templários, pelo que se especula que o tesouro que eles encontraram lá em Jerusalém, na época das Cruzadas, isso em 1099, foram os segredos da Ciência de Salomão e os poderes dos Gênios e dos Anjos, abrindo então conexões com os mesmos em suas invocações teúrgicas, se tornando muito poderosos POR CAUSA DISSO em seguida, por causa do auxílio que as potências do céu invocadas lhes deram – porque aprenderam a invocá-las, como fazia Salomão.

 

(esses escritos deveriam ficar longe das mãos de ufólogos sem conhecimento adequado de interpretação).

 

ABRASAX associado ao código dos cavaleiros templários

SECRETVM TEMPLI, um selo Abraxas templário.
Significa Segredo do Templo.
Note que IAO em letras gregas se escreve IAW, isto é:

IOTA (I), ALFA (A), ÔMEGA (W)
E então, você vai no Apocalipse de João, que descreve a visão que ele teve do DEMIURGO SOLAR em seu trono (APOCALIPSE 1) e este Ser de FACE DO SOL lhe diz EU SOU O ALFA E O ÔMEGA.
E se nas línguas antigas, a palavra EU geralmente era escrita com o prefixo I
(IO italiano, I ingles, etc) então voce entende que este SER solar estava declarando simplesmente o seu nome a João: I.A.O.

As sete estrelas: o Demiurgo IAO tinha sete estrelas na sua mão direita…
(Apocalipse 1: 16)

Aqui, as letras gregas IAW (IAO) no Abraxas, e reparem que a figura do signo desenha com seu corpo o mesmo IAW. A cabeça é I, o corpo com os braços é A, e as pernas, W: IAW! Segredos morando em cada detalhe que somente olhos atentos desvendam!

Enfim, recomendo a leitura e estudo do Livro de Enoque e as chaves do mundo celestial, para quem deseja aprofundar a compreensão sobre os Arcontes, e a análise do capítulo que menciona o Zodíaco na forma de um Livro das Luzes, do Anjo Uriel, o primeiro Anjo, e como Ele revela a Enoque o Universo zodiacal, suas 360 portas, e como os astros movem essa engrenagem toda da Criação, conforme a visão dos antigos gnósticos.

 

 

O Mal existe? Sim. Os seres malignos existem? Sim.

E tanto existem que estão induzindo as mentes humanas modernas em suas teorias cegas que pretendem destruir a verdade da sabedoria antiga e dos seres benéficos das dimensões superiores.

Tenho a mais absoluta certeza de que seres malignos é que induzem a mentalidade humana nessa desastrosa deturpação dos valores da sabedoria antiga, seja bíblica ou não-bíblica (apócrifa).

O que faz sentido, já que a verdade contida nestes textos de sabedoria antiga são chaves preciosas para o despertar da consciência, com valor eterno que transcende o tempo e tudo o que seja “moderno”.

O primeiro passo para a dominação dos seres malignos sobre a humanidade adormecida seria destruir as referências do conhecimento legítimo de despertar da consciência concedida a nós pelos sábios iluminados do passado.

Enfim, são textos preciosos e raros que não podem ser simplesmente abordados por raciocínio subjetivo de qualquer um despreparado, e associado ao modismo de certas teorias conspiratórias.

Precisam de consciência desperta e objetiva a altura do seu luminoso valor…

 

JP em 08.12.2019

Comentários