Templates by BIGtheme NET

A construção da paz interior

 

 

 

Se a Paz é um estado de consciência que devemos construir, seria certo pensar que o medo será inevitável para todo aquele que vive a vida ao sabor do acaso, se entregando a ela sem qualquer compromisso com a Verdade, lições a serem aprendidas pelo espírito na Escola da Vida, dissipando todo o seu tempo com futilidades?

Se a formiga trabalha enquanto a cigarra canta, quem deverá ter medo do inverno, quando ele chegar?

Se Paz implica em ausência de medo em função de uma consciência tranquila e justa, isso significa que a ausência de medo é uma construção interior. Nesse aspecto, quem pode assumir ausência plena de medo é a formiga, jamais a cigarra. Construir consciência dá trabalho. Assumir a paz interior dá trabalho. Não ter medo dá trabalho. Esse trabalho consiste em todas aquelas lutas diárias que devemos fazer para combater o ego, que vai na direção contrária, que deseja sempre o que é errado, que prega o egoísmo e o egocentrismo, que quer sempre levar vantagem, que se acomoda rapidamente no materialismo e nas paixões que satisfazem o corpo mas enfraquecem o espírito, enfim…

A Paz e a ausência de medo, portanto, é um mérito dos trabalhadores ativos da consciência desperta, que aprendem a caminhar nas estradas da Verdade e da Justiça e, por efeito, não tem motivos para terem medo, já que não acumulam culpas que acionam aquelas duas leis implacáveis do universo chamadas Lei da Atração e Lei do Retorno.

Porque todo medo nasce de toda culpa, e toda culpa saida de erros não resolvidos, com o tempo, atraem o retorno dos seus atos equivocados. E não é possível viver sem medo aqui. A menos que a pessoa procure formas de anestesiar o mesmo medo, desviando a culpa com subterfúgios da crença, com escapismos religiosos, com drogas, bebidas e outras estradas que em vez de encarar o ego de frente, procura fugir dele toda vez que a consciência pesada colocar o dedo na ferida.

O que não podemos permitir é que falsas filosofias tentem anular a culpa e o erro da humanidade desviada, procurando maquiar a doença. A paz no coração advém certamente de uma espiritualidade madura e consciente, e não de crenças de escapismos, como se costuma ver. Falar de guerras? Falar do clima alterado? Falar do Apocalipse Sim, certamente. Tudo isso são os resultados da lei do retorno sobre culpas generalizadas da humanidade não assumidas, não trabalhadas, sobre maldades mantidas, sobre materialismos não transformados. Mas repito: quem não deve não teme.

E o som das colinas caindo será como o quebrar da casca de um ovo do renascimento planetário. Eu mesmo não sou do tipo que gosta que o médico me esconda o diagnóstico. Como lutar contra um inimigo desconhecido? Enquanto o ego materialista der a tônica da civilização, o medo não será nada mais do que aquele sintoma de doença tentando avisar que as coisas não estão bem. E cumprirá seu papel no universo, como tudo.
Quem não deve ter medo do inverno é a formiga, mas nunca a cigarra.

Se a Verdade é a única coisa que liberta, quem vive na mentira, este é que deve ter o maior medo.
Porque é o maior prisioneiro de todos.

Concluindo: ausência de medo só existe com a paz no coração.
A paz no coração só existe com ausência de culpa.
Ausência de culpa só existe na ausência de erros.
Ausência de erros só existe na presença de acertos.
E a presença de acertos só existe quando a consciência da verdade assume o controle da vida.
E isso exige trabalho em tempo integral: o trabalho da formiga recusado pela cigarra!

 

JP em 25.09.2019

Comentários